Evento organizado pela coordenadora nacional do PSD Mulher, Alda Marco Antonio, reuniu cerca de 80 lideranças e militantes de todas as regiões do País

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta segunda-feira (8), o núcleo feminino do partido promoveu o evento online O Impacto que as Mulheres Podem Causar no Mundo. Organizada pela coordenadora nacional do PSD Mulher, Alda Marco Antonio, a iniciativa reuniu cerca de 80 lideranças e militantes de todas as regiões do País, que acompanharam a palestra da administradora Elina Borges, mestre em Estratégia Empresarial e especialista em Gestão Estratégica de Marketing.

Durante sua explanação, Elina falou sobre a importância do autoconhecimento no processo de evolução das mulheres. “Elas têm que saber o que pretendem ser no mundo, que mudanças precisam fazer em si mesmas para que sejam pessoas melhores. À medida que me torno uma pessoa melhor, mais participativa e colaborativa, impacto o ambiente em que vivo e a sociedade local”, definiu a palestrante.

A administradora ressaltou que as mulheres devem valorizar a resiliência emocional e uma postura mais estratégica e aguerrida diante dos desafios corporativos e políticos. Mas fez uma ressalva: para que alcancem seus objetivos, elas não precisam imitar os homens ou abrir mão da sensibilidade.

“Nós não precisamos nos masculinizar para vencer o jogo. O momento é de valorização das competências que a mulher tem e pode desenvolver de uma maneira forte, como a capacidade de fazer projetos e trabalhar em equipe. É com a sensibilidade social profunda da mulher que vamos criar um mundo novo”, frisou Elina.

Balanço

A coordenadora nacional do PSD Mulher fez um balanço positivo do evento virtual, que contou, ainda, com a participação da secretária do PSD Nacional, Ivani Boscolo. “Foi uma tarde maravilhosa. Ouvir a professora foi um bálsamo para os ouvidos de quem luta o dia inteiro para melhorar as condições das mulheres dentro dos partidos”, disse Alda Marco Antonio.

 

Ela também lembrou que a defesa da cota de 50% nos parlamentos para mulheres e o combate ao feminicídio serão as duas principais bandeiras do PSD Mulher em 2021. “Cotas de candidatas não nos servem mais. Queremos que a apuração dos votos seja feita de forma separada e 50% das mulheres mais votadas sejam eleitas. Os outros 50% seriam reservados aos homens mais votados.”

A relação de coordenadoras que participaram do evento contou com Letícia Boll Vargas, do Rio Grande do Sul, que também é presidente do partido no Estado e única mulher a dirigir um diretório estadual do PSD; Eleusa Coronel, da Bahia; Andrea de Paula, de Pernambuco; Fernanda Zapar, de Minas Gerais; Ludymilla da Matta, de Goiás; Luciana Leal, do Pará; e as deputadas estaduais Érika Amorim, do Ceará, e Edna Auzier, do Amapá.