O deputado Reinhold Stephanes Júnior comemorou a aprovação da medida

Projeto que dá prioridade à mulher chefe de família no recebimento do auxílio emergencial, mesmo quando o pai também informar ser o responsável pelos dependentes, foi aprovado na Câmara na terça-feira (2).

De acordo com o Projeto de Lei 2508/20, caso haja conflito de informações prestadas pelo pai e pela mãe no momento do cadastro do auxílio, a mulher terá a preferência de recebimento de duas cotas dos R$ 600, totalizando R$ 1.200. A regra vale mesmo que ela tenha feito a autodeclaração na plataforma digital depois do pai.

O deputado Reinhold Stephanes Júnior (PSD-PR) comemorou a aprovação da medida. “Quero parabenizar esta iniciativa que vai ajudar quem precisa, principalmente as mulheres que são mães e cuidam das crianças com muita responsabilidade”, afirmou no plenário.

Já nos casos em que o pai tiver a guarda unilateral, ou seja, é o responsável de fato pela criação dos filhos, ele pode contrapor as informações da ex-companheira e receber uma das cotas de R$ 600. O texto segue agora para análise do Senado Federal.