Preservar as conquistas obtidas em áreas como saúde, geração de empregos e saneamento básico, além de garantir mais avanços para Ponta Grossa, município de cerca de 350 mil habitantes da região dos Campos Gerais do Paraná. Essas são as principais motivações da pré-candidata do PSD à Prefeitura, a vice-prefeita Elizabeth Schmidt.

Em entrevista ao site do PSD, ela falou sobre suas realizações, os desafios que pretende enfrentar, o cenário político local e a força do partido na cidade. “Meu sonho é ver Ponta Grossa sendo a melhor cidade para se viver. Tenho confiança na minha cidade e a convicção de que conheço, com a experiência que acumulei, os caminhos para consolidar o que foi avançado e ir muito além. Infraestrutura, principalmente a pavimentação, saúde, educação, segurança, inclusão e emprego são áreas prioritárias”, destaca Elizabeth.

Confira a íntegra da entrevista com a pré-candidata a seguir:

Como está o cenário político em Ponta Grossa?
O cenário político em Ponta Grossa está bastante interessante. Sou pré-candidata à prefeita pela situação, buscando convencer o eleitor de que os avanços em Ponta Grossa precisam continuar e que novas ideias e projetos serão agregados na próxima gestão. Teremos como adversários um deputado federal com uma proposta mais alinhada à esquerda e um ex-deputado estadual sem uma bandeira política definida, além de outros adversários menos expressivos. A expectativa é que nossa proposta seja a escolhida e que assim possamos realizar uma grande gestão nos próximos quatro anos. A relação direta com o prefeito Marcelo Rangel, com os vereadores, com o deputado Sandro Alex e com o governador Ratinho Junior fez com que meu nome se fortalecesse para representar o grupo nessas eleições. Vejo que está sendo uma decisão colegiada em vários núcleos: familiar, social, político e os apoiadores em toda a cidade. O destino conduziu dessa forma minha vida. Na convenção partidária, sendo confirmado o meu nome como candidata a prefeita e o do Felipe Passos (PSDB) como candidato a vice, vou aceitar essa indicação como uma importante missão, com certeza a mais importante da minha vida.
No pleito proporcional teremos a melhor chapa entre todos os partidos, mantendo assim a maior bancada na Câmara Municipal. Composta por 29 candidatos, entre eles cinco atuais vereadores, a chapa agrega diversas lideranças representativas de vários segmentos da sociedade civil. Será um verdadeiro exército em apoio à nossa candidatura majoritária.

Fale um pouco sobre a experiência como vice-prefeita e os projetos em que esteve envolvida nos últimos anos

Vivo a política partidária há muito tempo e intensamente, colocando todos os dias a minha experiência de vida a serviço da cidade de Ponta Grossa. Minhas passagens como gestora pelas secretarias de Cultura, Turismo e Administração e Recursos Humanos foram diferenciais e minha vida, com importantes conquistas. Como vice-prefeita atuo, lado a lado com o prefeito Marcelo Rangel, na administração da cidade. Divido com ele a cabeceira da mesa de reuniões e sou a última a discursar sempre. Diariamente estou motivada e motivando nossos secretários municipais, diretores e servidores a sempre realizar um projeto, atender uma demanda do munícipe no menor prazo possível, e, principalmente, sermos criativos e buscarmos soluções sustentáveis e inovadoras para antigos problemas. Assumi por mais de 100 dias a condição de prefeita em exercício, com pleno conhecimento de causa.
Nessa gestão resolvemos, em definitivo, o problema do saneamento ambiental. A saúde está estruturada e funciona. Os resultados que estamos vendo agora na pandemia são a comprovação disso. Fortalecemos o padrão de desenvolvimento social com a melhor das ferramentas: o emprego. Realizamos um número muito expressivo de obras estruturantes, entre elas o aeroporto, que não apenas está funcional e projetado para crescer, mas também com operações de destinos importantes para o turismo de lazer e de negócios, tornando Ponta Grossa dotada de conexão aérea essencial. Mobilidade urbana e segurança pública estão estruturadas e tecnológicas. Avançamos em todas as áreas: da cultura, com a renovação da Estação Saudade, ao turismo, com a concessão de Vila Velha, passando por centenas de outras conquistas históricas. Implementamos a educação integral na maioria das escolas e CMEIs da rede municipal de ensino. Pavimentamos muitas quadras da cidade, com ligações importantes entre bairros, e ampliamos importantes programas sociais.

Há quanto tempo a senhora está no PSD? Quais são os valores do partido com os quais a senhora mais se identifica?

Faço parte da política partidária há muito tempo. Finalmente, encontrei um partido político que corresponde ao meu pensamento: o PSD, que é uma força política moderada, calcada no diálogo, no bom senso e no consenso, que defende a liberdade de expressão, defende a condenação e denúncia pública da corrupção e o exercício da política responsável e transparente. O PSD abre espaço e reconhece a importância política e social que, nós, mulheres temos na sociedade brasileira e isso me conquista. O principal é entender que a mulher na política é como o homem na política: pode ser ótima ou pode ser horrível. A mulher pode e deve ser mulher e exercer seu papel, mas na vida pública ela precisa ser eficiente. Aliás, como qualquer pessoa que se disponha a ingressar na vida pública. Competência não se mede pelo gênero.
Eu tenho uma formação sólida na área de Humanas, que é minha seara, e tenho uma experiência familiar e existencial bastante tradicional. Os ideais que eu defendo são bem claros: oportunidades iguais para todos e transparência absoluta. O poder público pode e deve intervir para que as diferenças sejam reduzidas e a justiça prevaleça.
Inscrevemos pela primeira vez a ação de uma mulher administradora na história política de Ponta Grossa e acreditamos, com base nos resultados que alcançamos, que esse é um fator essencial na luta pela igualdade de gênero e para a abertura de novos espaços para a consolidação desse novo espaço de liderança. Uma das maiores cidades do Paraná tem a oportunidade de vencer todas as barreiras da velha política e inaugurar um período de maior equilíbrio e inclusão.

Quais são as suas principais bandeiras políticas? Quais os principais desafios em Ponta Grossa?
Meu sonho é ver Ponta Grossa sendo a melhor cidade para se viver. Minha candidatura sempre foi vista como algo natural. Tenho confiança na minha cidade e a convicção de que conheço, com a experiência que acumulei, os caminhos para consolidar o que foi avançado e ir muito além. Infraestrutura, principalmente pavimentação, saúde, educação, segurança, inclusão e emprego são áreas prioritárias. Mas, diante do atual momento em que vivemos, em que precisamos nos reinventar socialmente, se faz necessária a atuação de um gestor experiente, determinado, comprometido com um projeto de futuro a longo prazo. Isto significa persistir no incremento de políticas públicas consistentes, inovadoras, sustentáveis, colaborativas, que aglutinem todos os grupos sociais, dos hegemônicos às minorias sufocadas durante décadas. Será prioridade a garantia do acesso à cidadania e qualidade de vida aos ponta-grossenses, sobretudo através de uma rígida e dedicada disciplina de execução e acompanhamento de metas em todas as áreas da administração municipal. Não podemos esquecer de valorizar a maior riqueza desta terra: a sua gente trabalhadora e solidária. A partir dessas premissas que pretendo acabar com o descompasso entre eleitores e eleitos, na busca para alcançar um projeto de cidade, e não um projeto de poder. E a meta de tornar Ponta Grossa uma cidade inteligente, tecnológica e inovadora, nos move em nosso trabalho, no planejamento das ações para curto, médio e longo prazo.