Programação do encontro incluiu o anúncio do Programa de Formação Política Eleitoral do PSD Mulher

 

Aumentar a representação feminina no cenário político em 2022, combater a violência doméstica, ampliar o número de filiadas e qualificar ainda mais a militância. Essas são algumas das proposições que fazem parte da Carta de Brasília, divulgada pelo PSD Mulher no encontro promovido nesta quarta-feira (24) no Centro de Eventos do hotel Royal Tulip Brasília Alvorada, na capital federal. Confira a íntegra do documento abaixo.

“Nós somos 44% do total de filiados do partido. É extraordinário esse número para o padrão brasileiro. Desconheço outro partido que tenha tantas militantes mulheres”, afirmou a coordenadora nacional do núcleo feminino, Alda Marco Antonio. Durante a abertura do evento, ela relembrou as reuniões e cursos de capacitação realizados pelo PSD Mulher desde março de 2020. Em função da pandemia de covid-19, as atividades tiveram de ser realizadas no formato virtual.

Alda destacou que o PSD está crescendo muito e mencionou as filiadas que ocupam cargos públicos: 811 vereadoras, 79 prefeitas, 80 vice-prefeitas e 12 deputadas estaduais. “Tem cabimento um partido do tamanho do nosso não ter nenhuma deputada federal? Não. Por isso, nosso esforço será para fortalecer também as candidaturas das deputadas federais”, frisou a coordenadora.

O encontro recebeu lideranças de todas as regiões do País. Entre as que compuseram a mesa de debates estavam a vice-coordenadora do núcleo feminino, Adriana Flosi; a secretária do PSD Mulher Nacional, Ivani Boscolo; e a prefeita do município de Tauá (CE), Patrícia Aguiar, que relatou as ações de sua gestão no combate ao coronavírus.

Intitulado Pacto Social pela Vida, o pacote de medidas incluiu o lockdown, a implantação de tendas e barreiras sanitárias, além da ampliação do horário de funcionamento do comércio, que evitou aglomerações. “Há dois meses não temos óbitos e pessoas em leitos de enfermaria e UTI”, contou Patrícia.

 

 

Cursos e palestras

O encontro do PSD teve, ainda, as participações da jurista e ex-ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Luciana Lóssio e da advogada Deborah Carvalhido, assessora jurídica da bancada do PSD na Câmara dos Deputados. Em vídeo gravado para o evento, Luciana lembrou das palestras sobre legislação eleitoral que ministrou para os núcleos estaduais do PSD Mulher no ano passado, que devem ser retomadas em breve.

Deborah falou sobre avanços na legislação eleitoral, entre eles a promulgação da Emenda Constitucional 111, que estabeleceu a contagem em dobro de votos dados a mulheres e negros que concorrerem à Câmara dos Deputados. A mudança valerá para fins de distribuição, entre os partidos políticos, dos recursos do Fundo Eleitoral. “Isso significa que a hora de vocês irem para o pleito é agora. O partido precisa de vocês”, disse Deborah.

A programação do encontro incluiu o anúncio do Programa de Formação Política Eleitoral do PSD Mulher, desenvolvido em parceria com o Instituto Político Eleitoral (IPE). O programa é composto por 23 cursos, divididos em três temas: Mulher na Política, que vai fornecer orientações sobre o processo de disputa de cargos eletivos, desde a convenção partidária até a prestação de contas; Hábitos Saudáveis; e Olhar Feminino, com informações sobre empreendedorismo, violência doméstica, assédio moral, entre outros assuntos.

As aulas começam no próximo dia 1º e prosseguem até 31 de maio de 2022. As inscrições podem ser realizadas aqui.