A deputada liberal democrata Wera Hobhouse, autora do projeto de lei.

Upskirting‘, como é conhecido o ato de tirar disfarçadamente fotografias por baixo de uma saia ou de um vestido, passará a ser crime punível até dois anos de prisão no Reino Unido.

Depois de uma campanha liderada por uma mulher vítima da prática intrusiva, Gina Martin, o ministério da Justiça britânico revelou que o governo vai apoiar o projeto de lei apresentado pela deputada liberal democrata Wera Hobhouse, conta o jornal britânico The Guardian.

Nos casos mais graves, os condenados podem mesmo passar a fazer parte do registo de agressores sexuais de Inglaterra e do País de Gales.

Até então, este tipo de prática era ‘protegida’ por um vazio legal, pois os culpados eram acusados de não cumprir leis de decência pública ou acusados de voyeurismo, mas nem todos os casos eram cobertos com essas leis.

Gina Martin começou a campanha para que o ‘upskirting‘ fosse criminalizado – com uma petição que contou com mais de 100 mil assinaturas, 50 mil delas apenas no Reino Unido – depois de as autoridades se recusarem a acusar o homem que tinha sido flagrado tirando fotografias por baixo da sua saia durante um festival. Apesar de ter as fotografias como prova, como estava usando roupa íntima, a ação não foi considerada ilegal.

“Este comportamento é uma invasão de privacidade horrenda, que faz as vítimas se sentirem degradadas e angustiadas”, disse Lucy Frazer, a ministra da Justiça britânica citada pelo jornal, acrescentando que “ao fazer do ‘upskirting‘ uma ofensa específica estamos mandando uma mensagem clara de que este comportamento não será tolerado e será devidamente punidos”.

A prática de ‘upskirting’ já é considerada ilegal na Escócia.